Orfandade: a maior arma do inimigo

Esse tema é de extrema importância e sua compreensão faz-se necessária já que vivemos um tempo de orfandade.

A princípio entende-se como orfandade o estado ou a condição de quem é órfão, ou seja, não tem o pai e a mãe, ou pelo menos não tem um dos genitores.

Há uma falta tremenda de paternidade em nossa sociedade, estima-se que 30% da população brasileira não possua o nome do pai no documento de identidade.

É muito comum ouvir relatos de mães que não recebem apoio dos pais, ou que muitas vezes não fazem ideia de quem seja esse pai, que como é dito por aí são os filhos do “carnaval”.

Mas eu diria que existe outro tipo de orfandade muito comum, onde os pais não foram embora e estão presentes no dia a dia dos filhos, porém esses se encontram ausentes em suas responsabilidades, destruindo a vida dos próprios filhos, gerando sentimentos de solidão, de vazio, insegurança, abandono, carências e medo quanto ao que há de vir.

Pais são influenciadores, e uma ausência de paternidade ou uma paternidade exercida de forma ruim, deixa uma marca indelével.

Os filhos estão em busca de referenciais onde possam se apoiar, e quando não encontram passam a ter uma vida de prejuízos e perdas.

A orfandade faz com que se percam os modelos, os valores e a própria identidade, onde o vazio deixado já não é suportável e a saída que muitos encontram é ignorar e fugir de sua própria realidade, correndo um grande risco de na ausência de valores morais se renderem a rebeldia e delinquência.

E isso irá refletir diretamente na visão em relação à paternidade de Deus, pois temos a tendência a transferir para Deus a imagem de pai terreno que temos, e nosso cérebro logo busca características e associações para formar essa definição.

Logo se alguns tiveram ou tem um pai terreno autoritário demais, podem sentir que Deus é bravo, que apenas aparece para punir e seu toque é para palmada e não para carinho.

Ou se foi ou é um pai ausente logo pensam que Deus esta distante e que não se importa.

Ou o pai é exigente demais e nada nunca o agrada.

E pode ser também um exemplo de pai permissivo demais, onde tudo pode, o que a principio pode até parecer legal, mas não é, e então muitas pessoas podem pensar que podem tudo, que Deus permite tudo e que no fim tudo acaba em “pizza”.

Muitos têm tratado Deus de maneira desrespeitosa, pois não aprenderam a obedecer e a se submeterem por considerarem o pai terreno falho demais, deixando com que o espírito de rebeldia domine a fim de mascarar o enorme vazio que ficou.

Por causa desses entendimentos errôneos a respeito da paternidade de Deus, muitos Cristãos não se sentem como filhos ou filhas de Deus e não compreendem a grandeza do amor de um Pai perfeito.

A orfandade bloqueou seus corações e não são capazes de reconhecerem esse amor em suas vidas, e vivem como escravos das inseguranças, dos medos e da rejeição.

Você já se perguntou o motivo pelo qual o inimigo investe tanto no espírito de orfandade?Posso te responder com clareza, e a resposta é que ele conhece a bíblia.

E não quer que tenhamos a compreensão de que somos filhos de Deus e que por Cristo Jesus o espírito de orfandade é derrotado.

Sua ação favorita é fazer com que nos sintamos como órfãos e escravos, sem direitos, privilégios e amor.

E em gálatas 4:6-8 podemos ver a realidade de que somos sim tratados como filhos:“E, porque sois filhos, Deus enviou aos vossos corações o Espírito de seu Filho, que clama: Aba, Pai.

Assim que já não és mais servo, mas filho; e, se és filho, és também herdeiro de Deus por Cristo.

Mas, quando não conhecíeis a Deus, servíeis aos que por natureza não são deuses.

”E uma pergunta se faz necessária: Quem é Deus para você?O entendimento dessa realidade é o mais importante da sua vida, pois o reino de Deus se baseia na paternidade.

Quando Jesus nos ensina a orar, a principal e primeira palavra é Pai.

Percebam que ele nos mostra que devemos nos referir a Deus como Pai:“E, orando, não useis de vãs repetições, como os gentios, que pensam que por muito falarem serão ouvidos.

Não vos assemelheis, pois, a eles; porque vosso Pai sabe o que vos é necessário, antes de vós lho pedirdes.

Portanto, vós orareis assim: Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome; Venha o teu reino, seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu; O pão nosso de cada dia nos dá hoje; E perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores; E não nos conduzas à tentação; mas livra-nos do mal; porque teu é o reino, e o poder, e a glória, para sempre.

Amém.

” (Mateus 6.

7-13)Jesus disse aos discípulos que não os deixaria órfãos, mas que enviaria o Espírito Santo, que estaria conosco e em nós, e Ele nos ensinaria todas as coisas, como podemos ver em João 14: 16-18, 26:“E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador, para que fique convosco para sempre; O Espírito de verdade, que o mundo não pode receber, porque não o vê nem o conhece; mas vós o conheceis, porque habita convosco, e estará em vós.

Não vos deixarei órfãos; voltarei para vós.

Mas aquele Consolador, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, esse vos ensinará todas as coisas, e vos fará lembrar de tudo quanto vos tenho dito.

”Talvez você não tenha tido um pai terreno presente e amoroso.

Mas agora conhecendo a verdade sobre a Paternidade de Deus você pode desfrutar do amor do Pai, um Pai presente, que te entende, que não te agride, que não te rejeita e que nunca vai embora.

Um Pai que te diz:“Porque eu bem sei os pensamentos que tenho a vosso respeito, diz o Senhor; pensamentos de paz, e não de mal, para vos dar o fim que esperais.

Então me invocareis, e ireis, e orareis a mim, e eu vos ouvirei.

E buscar-me-eis, e me achareis, quando me buscardes com todo o vosso coração.

” (Jeremias 29: 11-13).

Se você reconhece o espírito de orfandade em sua vida entenda que isso são crenças e atitudes malignas desenvolvidas durante todo o percurso de sua vida e que se tornaram parte na formação da sua personalidade e caráter.

Mas em Deus é possível encontrar um relacionamento paterno saudável e ter todas as suas emoções saradas e curadas.

Existe um chamado do Pai como está escrito em Mateus 11:28:“Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei.

” Reconheça a necessidade de mudança, arrependa-se, perdoe aos outros e a si mesmo, resista e mantenha-se no amor do nosso Pai todos os dias, em oração, comunhão, adoração e vida conforme a Palavra.

E lembre-se: “Ainda que meu pai e minha mãe me desamparem, o Senhor me acolherá.

” (Salmo 27.

10).

Categoria:Opinião